Além da inelegibilidade de Roseana e Ricardo, MP pede devolução

Roseana e Ricardo: decisões mirabolantes, favorecimentos de empresas doadoras de campanha e obras superfaturadas

Blog do Garrone – Além da ação criminal, aceita pela Justiça, o promotor Lindonjonson Gonçalves de Sousa, entrou com uma ação civil pública por improbidade administrativa na 2ª Vara da Fazenda Pública (juiz Carlos Veloso) contra Roseana Sarney, Ricardo Murad, mais 15 pessoas, dentre funcionários públicos e empreiteiros, e 5 empresas denunciadas em um esquema de desvio de recursos da Saúde.

O MP descreve na ação o que classificou de “empreitada improba e criminosa” iniciada em 7 de julho de 2009, dois meses depois do golpe judicial que usurpou o mandato do governador eleito Jackson Lago (observação nossa) com a divulgação da concorrência 001/2009 – CPL/SES/MA, com o propósito de construir, de um só vez, 64 unidades hospitalares de 29 leitos cada, em diversos municípios – notadamente os pequenos – do Maranhão, com estimativa de custo de R$ 115.832.337,59.

Em um levantamento cronológico, Lindonjonson Gonçalves de Sousa, traça o modus operandi da associação criminosa (reunião de três ou mais pessoas para cometer crimes; acusação criminal pela qual todos os envolvidos respondem na Justiça),  e seus artifícios para burlar a lei e contratar as empresas da preferência do secretário de saúde, Ricardo Murad, por designação da então governadora Roseana Sarney.

O Ministério Público aponta uma série de ilegalidades que vão do início da obras, sem o devido projeto básico, como exige o art. 7º da Lei de Licitações e Contratos Administrativos à contratos sem licitação e superfaturados.

“O superfaturamento das contratações, no presente caso, é de tamanha evidência que dispensa qualquer análise contábil para a sua verificação. Veja-se que sessenta e quatro unidades hospitalares de vinte leitos produziriam 1280 leitos, e por isso cada leito hospitalar custaria aos cofres públicos o valor de R$ 118.181,62 (cento e dezoito mil, cento e oitenta e um reais e sessenta e dois centavos); Sem contar os custos com equipamentos hospitalares e outras medidas de natureza estrutural que servem ao pleno funcionamento de uma unidade hospitalar. Em uma consulta rápida em portais da internet, é possível obter planilha completa do custo de uma unidade do projeto “Minha Casa Minha Vida”, que deve ter todas as condições básicas e necessárias para uma família viver com dignidade, não alcança a metade do valor gasto, em média, com cada um dos leitos hospitalares referentes às licitações relatadas na presente demanda. Assim, conclui-se que as contratações estão em valores muito acima do que deve ser praticado para edificações nessas condições, revelando o superfaturamento das obras, em não havendo nenhum interesse público que justifique um preço tão alterado”, diz Lindonjonson na acusação enviada à Justiça.

Decisões mirabolantes

O promotor ainda ressalta que “as decisões administrativas mirabolantes, o favorecimento a empresa doadora de campanha, o valor exorbitante das obras pagas ou contratadas mostram claramente que todos os indicadores sociais de extrema miséria que açoitam cerca de 55% da população e atinge 80% dos municípios maranhenses não foram suficientes para fazer os gestores e seus parceiros sensíveis à importância de uma política de saúde sustentável e adequada ao funcionamento como um sistema, que possibilitaria aos profissionais da saúde fazer o trabalho de atendimento à população, com uma gama variada de procedimentos, tanto preventivo, como curativo.”

Além da suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa e proibição de contratar com o Poder Público, etc., em caso de condenação, Ministério Público pede que Roseana, Ricardo e o resto da turma sejam condenados a devolver R$ 151 milhões, corrigidos e acrescidos de juros legais de 1% ao mês, desde a data dos pagamentos pelos cofres públicos.

Waldir Maranhão senta na cadeira de Cunha e leva ‘puxão de orelha’

Waldir Maranhão (PP-MA) em foto de abril

BRASÍLIA – Mal assumiu interinamente a presidência da Câmara,  Waldir Maranhão (PP-MA) já levou um “puxão de orelha” de aliados de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que foi afastado do mandato e do cargo de presidente da Casa nesta quinta-feira, 5, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ao chegar à Câmara pela manhã, Maranhão, que também é investigado na Operação Lava Jato, seguiu diretamente para a sala da presidência, ocupada por Cunha até a noite dessa quarta-feira, 4. O presidente interino usou a sala para receber outros deputados e chegou, inclusive, a sentar na mesma cadeira que o peemedebista costumava usar.

Ao saber do gesto, o primeiro secretário da Mesa Diretora, deputado Beto Mansur (PRB-SP), foi até o gabinete e orientou Maranhão a deixar o local. Disse que o gesto tinha um efeito simbólico muito forte e sugeriu ao deputado do PP que Cunha não tinha gostado. Antes de chegar à Câmara, Mansur esteve com Cunha.

Após o conselho, Waldir Maranhão decidiu deixar a sala e seguiu para seu gabinete de vice-presidente, onde continuou a receber outros deputados. De lá, só saiu para almoçar com outros parlamentares aliados fora da Câmara. (Estadão)

WALDIR MARANHÃO TAMBÉM É INVESTIGADO NA LAVA JATO

Os constrangimentos de ter um presidente da Câmara dos Deputados investigado vão continuar com Waldir Maranhão (PP-MA), que assumiu a presidência da Casa interinamente nesta quinta-feira, após o Supremo Tribunal Federal (STF) afastar Eduardo Cunha do mandato parlamentar e, consequentemente, do comando da Câmara. Assim como o peemedebista, de quem é aliado, Maranhão é investigado pela Operação Lava Jato.

De acordo com as investigações, o doleiro Alberto Yousseff, condenado por lavagem de dinheiro e investigado por outros crimes na Lava Jato, afirmou que Waldir Maranhão foi um dos políticos do PP que receberam dinheiro por meio de uma empresa usada pelo doleiro para distribuir propina oriunda de contratos da Petrobrás. O presidente interino da Câmara, contudo, ainda não se tornou réu, como Cunha.

Além da investigação da Lava Jato, Maranhão também é alvo de outros dois inquéritos que tramitam no STF, nos quais é acusado de crimes como lavagem de dinheiro ou ocultação de bens, direitos ou valores. O deputado do PP também traz no currículo outros questionamentos na Justiça Eleitoral. Ele teve suas contas de campanha de 2010 para deputado rejeitadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA).

Perfil. Médico veterinário de formação, Maranhão está em seu terceiro mandato consecutivo de deputado. Ele se filiou ao PP em 2007. Antes, foi filiado ao PDT (1985 a 1986), duas vezes ao PSB (1986 a 1988 e 2005 a 2007) e ao PTB (1988 a 2005). No primeiro mandato de deputado, licenciou-se para assumir o cargo de secretário Estadual de Ciência e Tecnologia do Maranhão na gestão de Roseana Sarney (PMDB), entre maio de 2009 e abril de 2010.

No ano passado, Maranhão foi eleito vice-presidente da Câmara com apoio de Eduardo Cunha. Na votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff no dia 17 de abril, contudo, os dois estiveram em lados opostos. O deputado do PP começou declarando voto a favor do impeachment, mas, dias antes da votação, mudou de lado e passou a apoiar Dilma. Na hora de anunciar seu voto, contudo, reiterou sua lealdade a Eduardo Cunha.

Maranhão também foi responsável por uma série de decisões que favoreceram Cunha no processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética que pode levar à cassação do peemedebista. Na última, ele limitou a investigação do colegiado à suposta existência de contas bancárias não declaradas no exterior pertencentes a Cunha.

Dessa forma, Waldir Maranhão decidiu que o Conselho de Ética não poderá investigar o presidente da Câmara afastado por suspeitas de recebimento de propina, conforme acusam delatores ouvidos pela força-tarefa da Operação Lava Jato. Cunha nega todas as acusações: tanto de ter contas secretas quanto de recebimento de propina.

Waldir Maranhão tem nas mãos impeachment de Temer

A decisão de Teori Zavascki, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) de afastar Eduardo Cunha do mandato de deputado federal instalou um clima de balbúrdia na Câmara dos Deputados, com múltiplas reuniões, declarações, análises, mas poucas certezas. Embora o afastamento não resulte em novas eleições e leve Waldir Maranhão (PP-MA) para a cadeira de Cunha, a permanência do deputado do PP no comando da Casa também é considerada incerta.

Aliados de Cunha e integrantes da oposição mantiveram intenso contato na manhã desta quinta-feira (5). Nos bastidores, sobram críticas a Teori, a quem acusam de promover uma interferência inconstitucional na cúpula de outro Poder.

Alguns mais exaltados, como o deputado Alberto Fraga (DEM-DF), defendem manifestações públicas de repúdio e resistência. Outros, que o plenário da Câmara seja chamado para chancelar ou não a decisão definitiva do STF.

Mas a avaliação corrente até mesmo nesse grupo é de que é próxima de zero a chance de uma movimentação política relevante de confronto com o STF e em defesa de Cunha.

A esperança deles é que no julgamento da tarde desta quinta o plenário da corte reveja pelo menos a suspensão do mandato.

“Sobre o afastamento da presidência, bato palmas, o ministro já devia ter feito isso há muito tempo. Agora, suspensão do mandato só o plenário da Câmara pode decidir. É uma agressão ao Poder Legislativo”, disse Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que não é próximo a Cunha.

MARANHÃO

Aliado de Cunha, mas ligado ao governador Flávio Dino (PC do B-MA) e contrário ao impeachment de Dilma Rousseff, Waldir Maranhão (PP) é visto por deputados como um político frágil política e administrativamente. Além disso, é um dos investigados na Operação Lava Jato. Aliados de Cunha narraram ao site a inconstância do novo chefe da Câmara, o que já causa preocupação.

Se agir alinhado com Cunha em sua interinidade será alvo de todos aqueles que hoje pedem a saída do peemedebista. Se fizer o contrário, será alvo da grande base de políticos alinhados ao até a madrugada desta quinta presidente da Câmara.

Ao assumir a presidência da Câmara no lugar de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado Waldir Maranhão (PP-MA) herda uma questão engavetada pelo antecessor: processo de impeachment do vice-presidente Michel Temer. O alerta foi feito nesta quinta-feira por aliados de Cunha que, em um ato de desagravo, compareceram à residência oficial do peemedebista, que segue recluso.

Nesta quinta Maranhão encerrou a sessão da manhã sob protestos de deputados anti-Cunha, que promoveram uma sessão informal, com microfones desligados, sob a “presidência” de Luiza Erundina (PSOL-SP). Pressionado, decidiu que irá reabri-la na tarde desta quinta.

Pelo entendimento da área técnica da Câmara, a suspensão de Cunha não resulta em novas eleições porque não há vacância do cargo. Mas deputados que falaram com o peemedebista dizem que, em último caso, ele pode renunciar ao cargo de presidente para forçar, aí sim, uma eleição em até cinco sessões –e tentar emplacar um aliado.

Jovair Arantes (PTB-GO), André Moura (PSC-SE), Hugo Motta (PMDB-PB) e Rogério Rosso (PSD-DF) estão entre os cotados.

Ricardo Diniz é um dos vereadores com mais trabalho em São Luís

IMG-20160505-WA0070

IMG-20160505-WA0077

Com forte atuação nos segmentos sociais e um dos vereadores com mais trabalho nas comunidades de São Luís, o vereador Ricardo Diniz (PCdoB) esteve na noite de ontem (4) visitando o bairro da Liberdade. No local, Diniz averiguou alguns problemas de infraestrutura e também conversou com os moradores.

Desde o primeiro dia do seu mandato, Ricardo Diniz percorre as comunidades mais carentes da capital. O vereador tem ações que vão desde a pavimentação de ruas, incentivo ao esporte, disponibilização de cursos e oficinas a jovens e trabalho com idosos e mulheres, alcançando mais de cem localidades na cidade.

“Trabalho pela manhã, tarde e noite em prol da população que me deu este mandato. E honro a confiança de todos estando presente todos os dias nos bairros, priorizando o diálogo, observando os problemas e ajudando aos que mais precisam”, destacou Ricardo Diniz.

Devido a atuação produtiva e a forte penetração nas camadas populares, Diniz é um dos vereadores com grandes chances de reeleição.

AÇÕES

ricarrdo 1

ricardo 2

IMG-20160505-WA0207

ricardo 1

ricardo 3

IMG-20160505-WA0243

ricardo 2

ricardo 3

ricardo 4

ricardo diniz 1

ricardo 2

ricardo 3

Sarney quer indicar Zequinha para a Ciência e Tecnologia

sar-e-sarney-filho

Maranhão 247 – O presidente do PRB, Marcos Pereira, que é também bispo da Igreja Universal, pode não ser mais ministro da Ciência & Tecnologia no governo de Michel Temer (PMDB).

O motivo é a onda de protestos na comunidade científica, desde que seu nome foi anunciado. Valendo-se da imensa rejeição que Pereira provocou entre pesquisadores, o ex-presidente José Sarney, maior raposa da política brasileira, conseguiu dar o drible da vaca no presidente do PRB.

Em encontros ocorridos nos últimos dias, tido indica que Sarney conseguiu convenceu Michel Temer a nomear seu filho, Sarney Filho, que sempre militou na causa ambiental, para o Ministério.

Zequinha estava sendo cotado para o ministério do Meio Ambiente.

Em entrevista publicada hoje, Marcos Pereira tentou se aproximar dos cientistas, dizendo não ser criacionista e também favorável ao aborto em fetos anencéfalos (leia mais aqui).

Fábio Macedo convida sociedade para Audiência sobre Rodovias

f421daefce28b4678f58ffbc27c101a0 (1)

O deputado estadual e Presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Recuperação e Conservação das Rodovias Federais do Maranhão, Fábio Macedo (PDT), subiu à tribuna do Plenário Nagib Haickel, para convidar toda a sociedade maranhense a participar da Audiência Pública sobre condições das Rodovias Federais, em especial as Br-135 e 222. O evento vai acontecer na próxima terça-feira (10), às 15h, no Auditório Gervársio Santos (Plenarinho).

“Gostaria de convidar toda a sociedade maranhense para participar da Audiência Pública sobre o estado das nossas Brs, na próxima terça-feira, onde juntos vamos cobrar celeridade nas obras de reparos das rodovias e principalmente a duplicação da Br-135. Já confirmamos a presença do novo superintende do DNIT Gerardo Fernandes e convidamos também o Ministério Público, a Controladoria Geral da União, a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadores de Agricultura do Estado do Maranhão (Fetaema), assim como o Governador do Maranhão e o Secretário de Infraestrutura, Clayton Noleto. Convoco também os demais membros da Frente Parlamentar e da Comissão de Obras e todos os colegas deputados ”, disse o pedetista.

O presidente da Comissão lembrou ainda que último sábado (30), realizou uma viagem para alguns municípios do interior e quando retornava a São Luís, foi vítima de um dos vários buracos da estrada, que cortou o pneu de seu carro e teve que ficar até de madrugada colocando estepe.

“Neste último fim de semana, fiz uma viagem ao interior e na volta um dos pneus do meu carro foi cortado por um buraco gigantesco, além disso ainda presenciei outros carros parados no acostamento com o mesmo problema.  Nessa semana fui informado que já existem algumas equipes na recuperação dos trechos, mas isso ainda é pouco, diante daquilo que nos foi garantido pelo Ministro dos Transportes e das condições em que se encontram as nossas estradas. Nós, maranhenses, nós, deputados desta Casa não vamos aceitar mais esse desrespeito, durante essa audiência pública vamos fazer cobranças diferentes, porque já estamos casados de promessas descumpridas.”

Campanha estadual contra Aftosa é lançada em São José de Ribamar

aftosa 1

O secretário estadual de Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser, e o prefeito Gil Cutrim (PDT) lançaram nesta quinta-feira (05) a versão 2016 da campanha de vacinação contra febre aftosa no Maranhão.

A cerimônia aconteceu no bairro da Quinta, no município de São José de Ribamar, e também contou com as presenças do presidente da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (Agerd), Sebastião Anchieta; dos vereadores Henrique Queen, Lázaro, Valdeir e Marlene Monroe; além de vários criadores e agricultores da cidade.

A meta, de acordo com a Aged, é vacinar em todo o Maranhão cerca de R$ 7 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos, sendo que na Grade Ilha este rebanho ultrapassa a casa dos quatro mil animais.

Em 2015, o estado bateu recordes de cobertura vacinal nas duas etapas da campanha, com 98,82% do rebanho vacinado em maio, e, 98,04%, em novembro. Neste ano, para aumentar ainda mais os índices e manter o reconhecimento internacional do Maranhão como zona livre de febre aftosa com vacinação, a equipe do PNEFA da Agência irá diversificar a divulgação e as estratégias de ação entre suas regionais.

Gil Cutrim elogiou a iniciativa do governo estadual e agradeceu pelo fato de São José de Ribamar ter sido escolhida para sediar o evento de lançamento da campanha.

“O município possui uma unidade da Agerd, implantada com o apoio da prefeitura, e participa constantemente das ações desenvolvidas pelo governo neste setor. Além disso, Ribamar, anualmente, vem vacinando 100% do seu rebanho e mantendo parcerias proveitosas com a Agência que estão contribuindo nas áreas da agricultura familiar; pesca e abastecimento; e na própria pecuária”, disse o prefeito.

PMDB de Sarney se fortalece

up_ag_7207_sarney_1

Por George Marques – Após o impeachment da presidente Dilma Rousseff ser aprovado na Câmara dos Deputados, no último dia 17 de abril, o PMDB do Maranhão já mostra sinais de fortalecimento.

O novo indicado para presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) do Maranhão é Assis Filho, membro da Juventude do PMDB e atual presidente da Fundação Ulysses Guimarães no Maranhão.

Assis Filho aguarda ansioso para assumir a presidência e controlar o aparato de comunicação da EBC no Maranhão, faltando apenas alguns trâmites da Casa Civil para ser publicado no Diário Oficial.

A família Sarney, que sempre esteve aliada aos governo Dilma e Lula, não se sentiram constrangidos em pedir votos favoráveis ao impeachment de Dilma, apenas para minar forças do governador Flávio Dino (PCdoB).

Vale lembrar que até 2014, quando Roseana Sarney ainda era governadora, tinha como vice-governador Washington Luiz, do PT. O partido no Maranhão sempre esteve ao lado da oligarquia Sarney.

Hoje o PT colhe com traição a quem sempre lhe deu a mão. Ou o contrário?

Temer é ficha-suja e está inelegível, diz Procuradoria Eleitoral

Condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) por doações de campanha acima do limite legal, o vice-presidente, Michel Temer (PMDB-SP), está inelegível pelos próximos oito anos, contados a partir da última terça-feira, 3. Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo (PRE-SP), condenações iguais à do vice podem ser enquadradas na Lei Ficha Limpa, que prevê a inelegibilidade de políticos condenados por órgãos colegiados, como é o caso do TRE-SP.

“A Lei da Ficha Limpa estabelece, no seu artigo 1º, I, alínea p, a inelegibilidade de candidatos como consequência da condenação em ação de doação acima do limite proferida por órgão colegiado ou transitada em julgado”, diz nota emitida pela PRE-SP no início da noite desta quarta-feira.

A nota é genérica, não cita especificamente o caso de Temer, mas foi feita em resposta a questionamentos sobre as consequências da decisão tomada na véspera pelo TRE-SP.

temer e sarney

Temer foi condenado na terça por unanimidade no plenário do TRE-SPa pagar multa de R$ 80 mil por ter feito doações acima do limite imposto pela legislação eleitoral na campanha de 2014, na qual o peemdebista concorreu na chapa da então candidata Dilma Rousseff.

Segundo a representação ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral, Temer doou ao todo R$ 100 mil para dois candidatos do PMDB do Rio Grande do Sul a deputado federal, Alceu Moreira e Darcísio Perondi, que receberam R$ 50 mil, cada um.

O valor é 11,9% do rendimento declarado pelo vice em 2013. Naquele ano, Temer declarou ter tido rendimentos de R$ 839.924,46. O peemedebista não poderia, portanto, doar quantia superior a R$ 83.992,44. A lei eleitoral impõe teto de 10% do rendimento declarado pelo doador no ano anterior.

A assessoria do vice-presidente afirmou que ele pretende pagar a multa com recursos próprios e que isso, por si só, já o livraria de ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e extinguiria a inelegibilidade.

INELEGÍVEL

Reis: "se houvesse apenas um eleito de forma corruta já deveria ser motivo para uma grave comoção social"

O argumento, no entanto é questionado pelo advogado e ex-juiz eleitoral Marlón Reis, um dos redatores da Lei da Ficha Limpa, para quem o pagamento da multa não livra o vice-presidente de ficar inelegível por oito anos.

Segundo Reis, Temer só terá poderá concorrer em eleições se o TSE revogar a decisão ou se forem transcorridos os oito anos estabelecidos pela lei da Ficha Limpa. “A lei é clara em estabelecer que a inelegibilidade decorre da condenação e nada tem a ver com o pagamento da multa”, disse.

Segundo a procuradoria, o enquadramento na Lei da Ficha Limpa não tem impacto sobre mandatos atuais e, portanto, não impede que Temer assuma o governo caso o Senado aprove a continuidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas proíbe futuras candidaturas pelo prazo de oito anos.

“O prazo da inelegibilidade é de 8 anos, contados da decisão proferida pelo órgão colegiado ou transitada em julgado, incidindo somente sobre as futuras candidaturas – não há, assim, impacto imediato dese tipo de inelegibilidade sobre os atuais mandatos”, diz a nota.

Segundo a PRE-SP, se não for revertida em instâncias superiores da Justiça Eleitoral, a informação sobre a condenação de Temer será disponibilizada a juízes e procuradores eleitorais para possíveis impugnações nas eleições de 2016 e 2018.

“A discussão sobre a potencial inelegibilidade de doador pessoa física ou de dirigentes de pessoas jurídicas condenados nessas ações de doação acima do limite somente será realizada em eventual ação de impugnação de registro de candidatura. A informação sobre essas condenações estará disponível aos Juízes Eleitorais e Promotores Eleitorais para avaliação no momento do registro de candidatura nas eleições de 2016 e ao Procurador Geral Eleitoral, aos Procuradores Regionais Eleitorais, aos Tribunal Superior Eleitoral e aos Tribunais Regionais Eleitorais nas eleições gerais de 2018”, diz a PRE-SP. (Blog do Fausto Macedo)

Ministro do STF afasta Eduardo Cunha e Waldir Maranhão assumirá

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki determinou nesta quinta-feira (5) o afastamento do presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do mandato de deputado federal.

Relator da Lava Jato, o ministro concedeu uma liminar em um pedido de afastamento feito pela Procuradoria-Geral da República. e apontou 11 situações que comprovariam o uso do cargo pelo deputado para “constranger, intimidar parlamentares, réus, colaboradores, advogados e agentes públicos com o objetivo de embaraçar e retardar investigações”. Na peça, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chegou a classificar o peemedebista de “delinquente”.

O peemedebista foi transformado em réu no STF, por unanimidade, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro sob a acusação de integrar o esquema de corrupção da Petrobras, tendo recebido neste caso US$ 5 milhões em propina de contratos de navios-sonda da estatal.

Na Lava Jato, o deputado é alvo de outra denúncia, de mais três inquéritos na Corte e de outros três pedidos de inquéritos que ainda aguardam autorização de Teori para serem abertos. As investigações apuram o recebimento de propina da Petrobras e o uso do mandato para supostas práticas criminosas.

“Ante o exposto, defiro a medida requerida, determinando a suspensão, pelo requerido, Eduardo Cosentino da Cunha, do exercício do mandato de deputado federal e, por consequência, da função de Presidente da Câmara dos Deputados”, diz trecho da decisão.

Cunha será substituído por outro investigado na Lava Jato, o deputado Waldir Maranhão (PP-MA). As informações são da Folha de SP.

Página 1 de 1.32712345...102030...Última »