processo

Com informações do blog do Gilberto Léda – A advogada Edna Andrade, que representa o prefeito em exercício de Santa Inês, Edinaldo Dino (PT), foi acusada hoje (2) pelos advogados do prefeito afastado, Ribamar Alves (PSB), de sumir com o processo de afastamento do socialista.

A representante do petista retirou os autos na segunda-feira (29). Como ela ainda não devolveu, o juiz Alessandro Figueiredo, da 1ª Vara da Comarca de Santa Inês, não pode decidir pelo retorno – ou manutenção do afastamento.

Em virtude disso, os advogados de Alves protocolaram um pedido de busca do processo.

Ao Blog do Gilberto Léda, Edna Andrade confirmou que ainda está com os autos, mas ponderou que não há qualquer ilegalidade no ato.

“Estou com o processo em carga, na forma da lei. Retirei na vara na segunda-feira e ainda estou dentro do prazo de cinco dias que a lei me dá para apresentar manifestação e devolver”, disse.

O advogado Charles Dias, um dos que atendem Ribamar Alves, contesta a versão da colega. Segundo ele, a ação trata-se de um mandado de segurança impetrado por Edinaldo Dino e, portanto, caberia à defesa do socialista se manifestar na fase atual, o que é impossível porque o processo não está na vara.

“Estamos dentro do prazo de dez dias que teríamos para nos manifestar. Mas com o processo em carga com a advogada do vice-prefeito, não podemos fazer isso”, comentou.

Dias confirmou a ação de busca dos autos.

Também com a anuência de Dino, os advogados ajuizaram uma ‘Ação de Suspeição’ contra Alessandro Bandeira, o mesmo Juiz que determinou a posse dele no último dia 16 de fevereiro. Ou seja, para a concessão ele não foi apontado como suspeito, agora que o Juiz vai apreciar sua própria decisão em vista da ausência do impedimento, ele é apontado como suspeito. Porque será?

A própria prefeitura – por intermédio dos advogados de Dino ajuizou ação de improbidade administrativa contra o prefeito afastado Ribamar Alves.

Segundo os advogados de Ribamar Alves, “não passa de uma manobra clara de querer tomar mandato do prefeito eleito pelo povo de Santa Inês. Isto sim tem caráter de golpe. E a Justiça haverá de prevalecer”. E acrescentam: “Não podemos esquecer que a manobra usada pela advogada em reter o processo é ilegal e ela haverá de responder por isso”.