O Governo do Maranhão ampliará em 30% o efetivo do Centro Tático Aéreo (CTA). Os novos integrantes deste grupamento de segurança do Estado serão formados na 10ª turma do Curso de Operações Aéreas (COA), cujo edital será lançado este mês. A ampliação do efetivo integra as ações do governo Flávio Dino para reestruturação do sistema de segurança.

maxresdefault

coronel Ismael Fonseca

O curso está agendado para começar em abril com a participação de 35 membros das forças de segurança do Maranhão, dentre policiais militares, policiais civis e bombeiros. Cinco vagas serão destinadas para participantes de outros estados.

O incremento desse serviço, que integra o plano de expansão do CTA e o processo de reestruturação do sistema de segurança do Maranhão, inclui a instalação de novos hangares no interior do Maranhão, nas cidades de Imperatriz e Presidente Dutra.

De acordo com o diretor do CTA, coronel Ismael de Souza Fonseca, o órgão é estratégico por desenvolver ações diversificadas na área de segurança. São atividades para as quais são necessários treinamentos rígidos e qualificados, uma vez que a modalidade aérea desenvolve habilidades que exigem respostas rápidas em localidades de acesso restrito.

“Os operadores do CTA combatem com armas de fogo e podem enfrentar circunstâncias como tiroteios ou passar dias na mata em busca de traficantes; fazem rapel para resgate, podem atuar no mar para fazer um salvamento ou fazer entrada tática em um prédio”, listou o coronel Ismael de Souza Fonseca.

Entre os policias formados, 20 vão atuar em São Luís, 10 em Imperatriz e 10 em Presidente Dutra. Atualmente, o CTA conta com três aeronaves e 89 profissionais, entre operadores, pilotos e apoio administrativo.

Curso

O curso, com duração de 45 dias, será ministrado em áreas geograficamente distintas do Maranhão, como São Luís e Imperatriz. Algumas aulas ocorrerão na Companhia Independente de Operações e Sobrevivência em Área de Caatinga (Ciosac), em Pernambuco.

O treino trabalha conteúdos como ações humanitárias, defesa civil, atendimento aeromédico e ações policiais. A grade curricular contempla, também, noções de embarque e desembarque, codificação de comunicação e conhecimentos sobre Zona de Pouso de Helicóptero (ZPH).

O perfil dos operadores abrange capacidades que vão de conhecimentos técnicos até fatores psicológicos e espírito de equipe.

Novos hangares

Para reduzir o tempo de resposta em ocorrências que demandam a intervenção aérea, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) vai descentralizar a atuação do CTA. Está em andamento a construção de dois hangares, em Imperatriz e Presidente Dutra. As localidades foram as primeiras selecionadas por serem pontos estratégicos para expansão dos trabalhos do CTA.

Os novos hangares terão acomodação de aeronaves, equipes de mecânicos, reserva de armamentos e caminhão de combustível. Em Imperatriz, a estrutura será montada no quartel do 3º Batalhão da Polícia Militar. Em Presidente Dutra, o novo hangar deve ser construído no aeroporto, que já dispõe de estrutura adequada, em função da pista de pouso.

“As unidades vão ganhar mais apoio e poderemos fazer o patrulhamento preventivo em maior distância e em menos tempo, propiciando mais segurança para a população”, explicou o coronel Ismael de Souza Fonseca.

O diretor do CTA explicou que os hangares vão proporcionar mais agilidade aos serviços. “O fator surpresa e o fator rapidez vão ser mantidos com as aeronaves na área, porque o deslocamento será menor; não será feito somente a partir de São Luís”, disse.