Linha de produção da fábrica da Nissan

Em valores correntes, o PIB do ano passado totalizou R$ 5,9 trilhões (Germano Luders/VEJA)

A economia brasileira terminou 2015 com uma retração de 3,8% em relação ao ano anterior, de acordo com números divulgados nesta quinta-feira, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o instituto, trata-se da maior queda da série histórica atual, iniciada em 1996. Considerando a série anterior, no entanto, o recuo é o mais acentuado desde 1990, quando a economia brasileira amargou baixa de 4,35%. Apenas no quatro trimestre, a retração sobre o mesmo período de 2014 foi de 5,9% e, sobre o período anterior, a baixa foi de 1,4%.

Entre os setores, em todo o ano de 2015, a agropecuária cresceu 1,8%, enquanto a indústria teve forte queda de 6,2% e os serviços, baixa de 2,7%. Em valores correntes, o PIB do ano passado totalizou 5,9 trilhões de reais. O PIB per capita somou 28,87 mil reais, queda de 4,6% sobre 2014.

A queda do PIB também foi conduzida pelo resultado negativo dos investimentos. A retração na formação bruta de capital fixo foi de 14,1% em 2015. “Este recuo é justificado, principalmente, pela queda da produção interna e da importação de bens de capital, sendo influenciado ainda pelo desempenho negativo da construção neste período”, explica o IBGE.

Enquanto isso, o consumo das famílias caiu 4% em relação ao ano anterior (quando havia crescido 1,3%), “o que pode ser explicado pela deterioração dos indicadores de inflação, juros, crédito, emprego e renda ao longo de todo o ano de 2015”. A despesa de consumo do governo caiu 1,0% – também desacelerando em relação a 2014, quando cresceu 1,2%.

Ainda conforme o IBGE, no setor externo, as exportações de bens e serviços cresceram 6,1%, enquanto as importações tiveram queda de 14,3%. Entre os produtos e serviços da pauta de exportações, os maiores aumentos foram observados em petróleo, soja, produtos siderúrgicos e minério de ferro. Já entre as importações, as maiores quedas foram observadas em máquinas e equipamentos, automóveis, petróleo e derivados, bem como os serviços de transportes e viagens.

O resultado do PIB veio em linha com o esperado pelo mercado. De acordo com o último boletim Focus, divulgado na segunda-feira, o Brasil encerraria o ano passado com retração de 3,8%. Já o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerado uma prévia do PIB, apontava para uma queda maior, de 4,08% no ano passado.