Marcos confessou à polícia ter recebido R$ 7 mil para participar do crime contra o jornalista Décio Sá

Marcos Bruno da Silva Oliveira disse que depois do crime fugiu para ES e PA, regressando a seguir para o Maranhão 

 A Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA) apresentou, na manhã desta sexta-feira (9), Marcos Bruno da Silva Oliveira, de 28 anos, o homem apontado como “piloto de fuga” de Jhonatan de Sousa Silva, de 25 anos, assassino confesso do jornalista Décio Sá. Décio foi morto no dia 23 de abril, com seis tiros de pistola ponto 40, no bar Estrela do Mar, na Avenida Litorânea.

Natural de Bacabal, Marcos Bruno foi preso na quarta-feira (7), no Hotel Calhau. Ele e outros três homens, que estavam numa residência no Cohafuma, foram detidos pela prática de crimes cibernéticos.

Segundo o secretário-adjunto de Inteligência e Assuntos Estratégicos, Laércio Costa, Marcos Bruno confessou que recebeu R$ 7 mil para conduzir a moto que deu fuga ao assassino do jornalista.

Ele revelou também que o depoimento do preso foi semelhante ao de Jhonatan Sousa, esclarecendo inclusive fatos relativos à morte do empresário Fábio Brasil.

“O Marcos Bruno não participou do crime do empresário, mas presenciou reuniões nas quais o Júnior Bolinha deu as instruções referentes à execução. Ele nos afirmou que uma dessas reuniões aconteceu na churrascaria O Berro, no Araçagi, que contou, ainda, com a participação de alguns policiais. Essa e outras informações estão sendo apuradas com muita cautela pelo nosso Serviço de Inteligência”, disse Laércio.

O titular da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), Augusto Barros, explicou que um dia após a prisão de Jhonatan Sousa, Marcos Bruno fugiu para Mimoso do Sul, no Espírito Santo, cidade na qual cresceu e tem familiares. Na ocasião, o suspeito já estaria sendo monitorado pela polícia do Maranhão, em parceria com a polícia do ES, e havia conseguido escapar por duas vezes de cercos policiais.

“Ao perceber que a polícia estava atrás dele, Marcos Bruno costumava sair da cidade. Por fim, ele decidiu ir embora de vez e ficou transitando entre Marabá e Parauapebas, no Pará, onde se juntou a um grupo que praticava crimes cibernéticos e os trouxe para a capital maranhense. Diante de tais informações, pedimos a colaboração do delegado Breno Galdino, do Departamento de Combate aos Crimes Cibernéticos da Seic, que passou 48 horas acompanhando os passos do suspeito no hotel, até prendê-lo, e ao resto da quadrilha”, explicou Augusto Barros.

Filho nasceu – Quase no mesmo instante em que a polícia do Maranhão apresentava o acusado de pilotar a moto que deu fuga ao matador de Décio Sá, nascia, na Clínica São Marcos, no Renascença, o filho do jornalista assassinado. A mulher do jornalista, Silvana, estava grávida de dois meses, quando o marido foi morto. A criança vai se chamar Lucas. (texto de Jully Camilo e Oswaldo Viviani)